Os músculos em repouso permanecem num estado de semicontração ou de tensão, chamado de tônus muscular.

Muitas mulheres mantém seus músculos vaginais constantemente tensos, contraídos sem querer e perceber.

Na prática fisioterapêutica observa-se que muitas mulheres iniciam sua prática sexual com aumento da tensão nos músculos vaginais, e isto ocorre geralmente quando a mulher teve educação religiosa e/ou familiar muito rígida, abuso ou assédio sexual na infância ou adolescência, traumas locais, imagem corporal alterada, baixa autoestima, postura inadequada da pelve, hímen complascente, pós-parto vaginal, entre outros fatores físicos e psicológicos.

O surgimento da tensão nos músculos vaginais pode ser devido alguns exemplos, como: problemas conjugais, de saúde (cândida de repetição, bartholinite, cistite, etc), fatores psicológicos, dor ou desconforto na penetração, falta de lubrificação,
entre outros.

E não tem idade para ocorrer na vida da mulher.

Esta tensão muscular vai se agravando de acordo com a frequência que a mulher faz penetração com desconforto e dor.

A dor frequente na penetração pode ocasionar diminuição ou ausência do desejo e lubrificação, enfraquecimento dos músculos vaginais, alteração de sensibilidade da vagina e às vezes da região de clitóris e ânus.

Visto que com a tensão muscular local ocorre alteração vascular e circulatória, onde os músculos tornam-se fracos e sem elasticidade.

E pode surgir nódulos de tensão local e fechamento parcial ou total da vagina, chamado de vaginismo.

A dor na penetração interfere no orgasmo vaginal? Sim, a dor interfere no orgasmo vaginal.

Mas depende também de outros fatores, como sua sexualidade, seu emocional, fatores físicos e conjugais, e o grau de tensão muscular local (leve – moderado – grave).

O importante é diminuir este desconforto e dor.

Caso tenha doença procure seu médico ginecologista.

Caso não tenha doença, você deve usar muito lubrificante na vagina, de preferência os que esquentam, assim ajudam a relaxar os músculos locais na hora da penetração.

E mesmo com lubrificante externo a dor continuar, procure um fisioterapeuta especializado para avaliar e tratar seus músculos íntimos.

Fonte: Fabiane Dell` Antônio